Rua Rafael Cervone, 170 - Santa Bárbara d Oeste - SP 19 3407-0494

FAQ

Conheça nosso FAQ

BOMBAS DE ESGOTO

  • QUAIS SÃO OS RISCOS DE BLOQUEIO? O GRADEAMENTO É NECESSÁRIO? FIBRAS REPRESENTAM UM PROBLEMA?
    • O Sistema de Bombeamento em Linha não tem absolutamente nada a temer de toalhas domésticas e produtos de higiene semelhantes que se tornaram um problema nos últimos anos, já que as seções de fluxo são completamente livres e sempre foram projetadas desta forma no Sistema de Bombeamento em Linha. Não é necessário fornecer sistemas de gradeamento. Além disso, todos os Sistema de Bombeamento em Linha possuem controle de torque do motor e reversão automática, permitindo que eles atinjam e reduzam o volume de total que passam durante o bombeamento. Em redes combinadas ou de águas pluviais, às vezes grandes objetos indesejáveis passam acidentalmente e, por esse motivo, o corpo de admissão do equipamento está equipado com uma escotilha de serviço.

  • E SE O SISTEMA ESTÁ EM FUNCIONAMENTO CONTINUO? OU ISSO COMEÇA SER MUITO FREQUENTE?
    • O sistema inicia, regula e para de acordo com o volume de entrada do efluente. Abaixo de aprox. 10% de sua capacidade (um valor definido quando colocado em serviço), o sistema para completamente. O número de partidas não é um problema, pois cada motor pode ligar e desligar 150 vezes por hora sem atingir a corrente de pico e, portanto, sem sobreaquecimento.

  • HÁ RISCO DE GRAXA OU FIBRAS ACUMULADAS NA CORRENTE?
    • Não, porque, quando colocados em serviço, nossos técnicos ajustam as configurações de fábrica de modo que o alcance operacional corresponda ao fluxo; portanto, não pode haver acúmulos nos dutos, apenas o fluxo máximo.

  • O QUE É BOMBEAMENTO DIRETO EM LINHA? QUAIS SÃO AS VANTAGENS E DESVANTAGENS?
    • O princípio do bombeamento direto em linha é bombear diretamente do fluxo que chega em gravidade de acordo com as variações da demanda de esgoto. O conjunto é composto por um corpo único com duas volutas (sistema 1+1), ou seja, uma bomba sempre é reserva da outra. A vazão de projeto sempre é atingida por um único conjunto de voluta, rotor e motor. Isso elimina todas as desvantagens de um poço úmido: gases perigosos (H2S), odores, acumulação de areia e graxa, corrosão do equipamento, erosão estrutural e flutuadores entupidos. Este processo reduz os custos de várias maneiras diferentes: - 100% de economia dos custos normais de limpeza operacional - Custos reduzidos de construção e investimento, com um poço superficial e muitas vezes menor área de superfície ocupada. - Custos de manutenção reduzidos à medida que o equipamento é mantido seco e não está em contato com efluentes e gases poluídos, facilidade de acesso e projetado com materiais sustentáveis e poucas peças móveis. Selo sem óleo e capaz de funcionar 150 horas em seco, o Sistema de Bombeamento em Linha é muito resistente e suas peças de desgaste são baratas. - Redução do risco de segurança para a equipe de manutenção devido a estruturas e equipamentos menos profundos que operam em um ambiente saudável.

  • O QUE DEVE SER FEITO SE UM DOS CONJUNTOS MOTO-BOMBA FALHAR ? QUE AÇÃO DEVE SER TOMADA?
    • Se uma falha for identificada, mas não foi resolvida pelo sistema automático de gerenciamento de falhas, o sistema de controle alterna automaticamente para a outra bomba na unidade. Para remover a unidade para manutenção, é necessário apenas alguns minutos de tempo de inatividade, ou mesmo nenhum se o Sistema de Bombeamento em Linha estiver na versão com válvulas de sucção para cada bomba. Existem apenas de 4 a 12 porcas para serem afrouxadas para os modelos maiores. Uma placa do tipo flange cega é fornecida com cada sistema para selar o local de assento da moto-bomba (peça única) removida. A intervenção é, portanto, direta e é realizada com total segurança.

  • NÃO ESTOU CONFORTÁVEL COM A MUDANÇA, HÁ ALGUMA ASSISTÊNCIA TÉCNICA?
    • DISPONÍVEL? Claro! Nós fornecemos suporte desde o estágio de projeto até o momento em que o equipamento é posto em serviço, e oferecemos gratuitamente um serviço de assistência 24 horas por dia, 7 dias por semana, para oferecer aos usuários de nossos sistemas uma tranquilidade em relação ao bom funcionamento. Com o nosso sistema de Telemetria (3G/4G), pode-se monitorar o sistema remotamente. Contate-nos para mais informações.

  • ONDE POSSO OBTER PEÇAS DE REPOSIÇÃO?
    • O equipamento é inteiramente fabricado no Brasil, e por isso essas peças podem ser adquiridas diretamente com a IMPROV, ou no próprio mercado brasileiro, por se tratarem de peças de prateleira.

MEDIÇÃO E MONITORAMENTO

  • QUAL A DIFERENÇA ENTRE O MÉTODO CONVENCIONAL E TERMODINÂMICO PARA CONHECIMENTO DA CURVA REAL DE RENDIMENTO DE UM CONJUNTO MOTOR BOMBA?
    • De maneira genérica o principal de medição. Enquanto que, para medição do conjunto pelo método convencional, são necessárias as medições de potência, pressão e vazão. O método termodinâmico necessita somente da medição do diferencial de temperatura e pressão entre sucção e recalque da bomba. - Os dois métodos estão corretos e são precisos? Sim, ambos seguem as normas, no entanto o método convencional normalmente utilizado em bancadas de fabricantes é muito bem empregado em ambientes controlados. Nas medições in situ (em campo) é necessária a interrupção dos conjuntos em paralelo para aquisição da vazão individual, trazendo transtorno para operação e com risco da calibração do medidor interferir no resultado. Já no método termodinâmico não é necessário medição de vazão e as sondas são postas em carga sem interromper a operação da estação.

  • POR QUE LEVANTAR O RENDIMENTO DOS CONJUNTOS MOTOR BOMBA?
    • As bombas se desgastam e há uma diminuição no rendimento e, consequentemente, há uma perda de energia na operação conjuntos.

  • O QUE É NECESSÁRIO PARA FAZER A MEDIÇÃO?
    • Ter tomadas para inserção das sondas de temperatura na tubulação de sucção e recalque. Esses pontos devem garantir passagem livre de 12 mm para que a sonda toque o fluído.

  • É POSSÍVEL INSTALAR OS EQUIPAMENTOS FIXOS NA ESTAÇÃO PARA MONITORAMENTO CONTINUO? QUAIS AS PRINCIPAIS VANTAGENS?
    • Sim, nós trabalhamos para isso e acreditamos que esse é o cenário ideal. Com o monitoramento fixo você poderá monitorar o rendimento, vazão, altura manométrica e potência de cada conjunto. Todas essas variáveis serão historiadas para fornecer qual a melhor posição para operação dos conjuntos em tempo real. Isso permite operar no menor custo R$/kwh independente da vazão.

ABRAÇADEIRAS

  • QUAL O MATERIAL CONSTRUTIVO?
    • As abraçadeiras são 100% em aço inox, corpo e parafusos.

  • QUAL A DIFERENÇA DA HERMETICA PARA OS REPAROS DE PRIMEIRA GERAÇÃO (TRI PARTIDAS, JUNTA GIBOT OU UNIÃO UNIVERSAL)?
    • Na primeira geração de reparo as tecnologias consistiam em apertar o máximo possível a junta plana em detrimento de interromper o vazamento. Em virtude disso havia uma diminuição de performance do material (junta) e em muitos casos o vazamento volta a ocorrer ou até mesmo a peça se romper devido ao aperto demasiado. A tecnologia utilizada pela nossa abraçadeira é de auto selamento, ou seja, a junta interna é composta de lábios que permitem que o próprio vazamento expanda estes lábios contra a tubulação e a carcaça, isso permite que um torque pré-definido e identificado em todas as carcaças das abraçadeiras possa orientar o aplicador para um padrão de aperto. Por se tratar de um padrão de torque a vida útil borracha EPDM aumenta exponencialmente, ao contrário de sistema de primeira geração de reparo

  • EM QUAL MATERIAL POSSO APLICAR ESTA ABRAÇADEIRA?
    • Em qualquer tipo de material! Por exemplo: ferro fundido, aço, aço inox, PVC, PEAD, cimento amianto e fibra de vidro etc. Na maioria dos matérias é possível realizar a junção de tubos e fazer reparos com a linha viva (em carga). Para o PEAD a única restrição é na junção de tubo “ponta – ponta” para furos ou vazamentos em solda é totalmente possível a aplicação.

  • POSSO APLICAR EM DERIVADOS DE PETRÓLEO, ÁCIDOS OU EM FLUIDOS COM ALTA TEMPERATURA?
    • Sim! Entre em contato conosco para verificar a tabela química das juntas. A recomendação abaixo é um norte para aplicação: - Água – Material da junta EPDM. - Derivados de Petróleo - Material da junta NBR. - Ácidos e Alta temperatura - Material da junta Viton.

TANQUES DE ARMAZENAMENTO

  • QUAIS OS TIPOS DE APLICAÇÕES?
    • Os tanques de armazenamento PERMASTORE, podem ser utilizados em: Reservatório de água potável, Reservatório para tratamento de esgoto, Efluentes industriais, Água de processo, Armazenamento de granéis sólidos, Biogás e digestão anaeróbica, Chorume, Silos, Mineração e Biocombustíveis.


Whatsapp Improv Whatsapp Improv